Jaboatão, a maior cidade do Brasil sem clube profissional em atividade

28/05/2020
jaboatao

O projeto do parque que vai substituir o único estádio de futebol de Jaboatão.

Levando em conta todas as competições profissionais, 645 clubes brasileiros disputaram alguma partida oficial em 2019. O dado está presente no estudo da Pluri Consultoria, já abordado no blog. Agora, o foco será justamente no oposto, nas principais lacunas.

Se de um lado o Rio de Janeiro foi a cidade com mais clubes em atividade, com 23 ao todo, do outro nada menos que 5.148 cidades passaram em branco. Isso corresponde a 92,4% dos 5.570 municípios do país. Entre os locais sem futebol de forma “direta”, o mais populoso é Jaboatão dos Guararapes, com 702 mil habitantes. Integrante a Região Metropolitana do Recife, a cidade é a segunda maior do estado, além de ter um PIB de R$ 13,5 bilhões – curiosamente, Olinda, também na RMR, aparece na 5ª colocação no país neste mesmo levantamento.

No caso de Jaboatão, o último clube “mandante” foi o Jaguar, cuja origem é explicada pelas primeiras sílabas da cidade. O clube sediado em Prazeres se profissionalizou em 2012, mas a última competição oficial disputada foi em 2015, com o Campeonato Pernambucano Sub 20 – teve 1V e 5D em seis jogos, com -21 de saldo. No site da FPF, o último balanço publicado é referente a 2018 e traz o número “zero” em todos os itens, com ativo, passivo e patrimônio líquido. A folha de papel serviu apenas para dizer que o CNPJ segue ativo – e segue mesmo, segundo a Receita Federal. À parte do Jaguar, apenas clubes amadores que ocasionalmente se inscrevem nos torneios abertos da FPF, com os Estaduais Sub 15 (infantil) e Sub 17 (juvenil).

Historicamente, o principal palco da cidade sempre foi o Estádio Jefferson de Freitas, embora seja extremamente acanhado para o tamanho de Jaboatão. Segundo a última aparição no Cadastro Nacional de Estádios da CBF, em 2016, seriam apenas 2 mil lugares no local encravado no meio do antigo centro do município. Lá, o América do Recife jogou em “casa” nas décadas de 80 e 90, incluindo jogos da primeira divisão, com o local caindo no ostracismo.

Apesar de um trabalho ou outro de requalificação, o estádio sairá de cena. Será transformado no “Parque Jefferson de Freitas”, com 10 mil m², com pista de cooper, quadra poliesportiva, academia e espaço multiuso, mantendo 40% de área verde. O projeto foi apresentado em 10 de fevereiro de 2020, pouco antes do Coronavírus se espalhar no Brasil, com Pernambuco sendo um dos estados mais afetados. Segundo a prefeitura, a ideia é construir outro estádio no Lote 56, a cerca de 2 km, apesar dos poucos dados técnicos disponíveis. De uma forma ou de outra, a tendência é que Jaboatão siga, por algum tempo, na ponta do ranking sem futebol.

Nota do blog
Curiosidade à parte, vale pontuar que Jaboatão e Olinda estão intimamente ligados ao Recife, em termos econômicos e estruturais, com a centralidade urbana mantida de norte a sul – cabendo uma divisão apenas pelas placas informativas ou, claro, pelo conhecimento sobre as cidades. Ou seja, a influência do futebol do Recife, com Náutico, Santa Cruz e Sport em ação, chega na mesma intensidade às duas cidades vizinhas da capital, cuja ausência serve como figuração estatística.

Os dez municípios mais populosos sem clubes profissionais no Brasil*
1º) 702.298 – Jaboatão (PE)
2º) 530.598 – Ananindeua (PA)
3º) 409.341 – Montes Claros (MG)
4º) 400.927 – Carapicuíba (SP)
5º) 392.482 – Olinda (PE)
6º) 370.821 – Itaquaquecetuba (SP)
7º) 365.798 – São Vicente (SP)
8º) 325.073 – Praia Grande (SP)
9º) 320.459 – Guarujá (SP)
10º) 299.132 – Camaçari (BA)
* Dados do IBGE em 2019

Os dez municípios de maior PIB sem clubes profissionais no Brasil*
1º) R$ 35,3 bi – Paulínia (SP)
2º) R$ 23,1 bi – Camaçari (BA)
3º) R$ 15,0 bi – Cajamar (SP)
4º) R$ 13,8 bi – Louveira (SP)
5º) R$ 13,7 bi – Sumaré (SP)
6º) R$ 13,5 bi – Jaboatão (PE)
7º) R$ 12,9 bi – Hortolândia (SP)
8º) R$ 12,4 bi – Gravataí (RS)
9º) R$ 12,3 bi – Cubatão (SP)
10º) R$ 11,7 bi – Embu das Artes (SP)
* Dados do IBGE em 2017

A imagem de satélite do Jefferson de Freitas no Google Maps. Oficialmente no passado.

O último sinal de existência de um clube profissional em Jaboatão, com o balanço de 2018.

cassiozirpoli

 

Notícias relacionadas...

Mais notícias

Nossos Anunciantes