Mundial Sub-17: conheça Gabriel Veron, o Bola de Ouro do torneio

05/01/2020
veron

Um dos principais jogadores da Seleção no Mundail Sub-17 Brasil 2019 começa sua carreira no futebol com um nome pouco comum entre brasileiros. Camisa 7 da Seleção, Gabriel Veron foi batizado em 2002 em homenagem a um famoso jogador argentino da época. E fecha a competição eleito o Bola de Ouro, o melhor jogador do Mundial edição 2019.

Veron não é propriamente um sobrenome, mas sim um complemento ao nome Gabriel. A ideia inusitada nasceu de um vizinho fã do ex-jogador Juan Sebastián Verón, que representou a Argentina em três Copas do Mundo da FIFA: 1998, 2002 e 2010.

“Foi por causa do jogador da Argentina, o meio-campo Juan Sebastián. Foi ideia do meu vizinho. Ele sempre quis ter um filho homem, mas não conseguiu, teve três meninas. Aí minha mãe e meu pai estavam indecisos (durante a gravidez), e o vizinho falou: coloca Veron. Meus pais gostaram”, afirmou Gabriel Veron (sem acento na versão brasileira).

“Gosto muito do nome e vou honrar, como ele (Juan Sebastián) honrou. Já vi jogadas dele pelo YouTube, mas nunca ao vivo. Era muito bom jogador”, acrescentou o brasileiro.

Nome: Gabriel Veron Fonseca de Souza
Nascimento: 3 de setembro de 2002
Origem: Assu (RN)
Clube: Palmeiras – contrato até 2021
Multa contratual – 60 milhões de euros (R$ 266 milhões)
Seleção Sub-17: 21 jogos (6 gols)
Ídolo: Cristiano Ronaldo
Apelido: “Raio”

O camisa 7 foi um dos destaques do Brasil na fase de grupos, em que os anfitriões venceram três vezes. Na estreia contra o Canadá, Veron fez um gol e deu uma assistência para João Peglow. Depois, mais uma assistência contra a Nova Zelândia, no gol de Kaio Jorge. O melhor veio contra Angola, marcando um belo gol após uma arrancada no meio dos marcadores.

“Acho que ele (Juan Sebastián) ficaria orgulhoso de mim. Acho que eu consegui honrar o nosso nome”, brincou o brasileiro.

Gabriel tem jogado no Mundial pela ponta direita, criando ações, principalmente servindo os homens de frente Talles Magno e Kaio Jorge. Sua parceria com Yan pela ala direita é um dos pontos fortes da equipe brasileira, mas Yan não joga quarta-feira (06/11) contra o Chile em razão de suspensão.

Vaqueiro: Um sonho de criança

Hoje em dia Gabriel Veron é um jogador promissor de 17 anos, atleta do Palmeiras, um dos principais clubes do país. Mas, antes de o futebol virar uma realidade em sua vida, o jovem nascido em uma cidade pequena do Estado brasileiro do Rio Grande do Norte pensou em ser vaqueiro.

“É a vida do meu pai, ele é vaqueiro, cuida de vacas, de cavalos. Ele trabalha no campo, e eu tentei ser vaqueiro ao lado dele. Só que eu não consegui. Aí minha mãe ficava me incentivando a buscar a vida no futebol, que dá um futuro melhor. Então me dediquei a ser um jogador”, contou.

A vida no futebol começou a virar possível com a oportunidade de jogar pelo Palmeiras em 2017, depois do começo no pequeno Santa Cruz de Natal. Foi pelo popular clube da cidade de São Paulo que Veron viveu seu melhor momento na carreira, pelo menos antes do Mundial Sub-17. Isso aconteceu em junho de 2018.

Então com 15 anos, o meio-campista foi decisivo na vitória do Palmeiras sobre o Real Madrid na final do torneio internacional Sub-17 entre clubes, na cidade de Fuenlabrada, na Espanha. Gabriel marcou um dos gols no triunfo brasileiro por 4 a 2, acabou como artilheiro do torneio e foi elogiado por jornais espanhóis. Agora, dentro de seu país, busca um título mundial por seleções. (com fifa.com)

Chuteira FC

Notícias relacionadas...

Mais notícias

Nossos Anunciantes